Biblioteca

Marcas Farmacêuticas: STJ Confirma que Trâmite Regulatório Junto à ANVISA Constitui Defesa Válida em Processo de Caducidade de Marca Perante o INPI

por Gustavo Piva de Andrade

18 de abril de 2017

compartilhe

Em acórdão publicado em meados de 20161,  o Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que o processo de registro de um medicamento em trâmite perante a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) constitui razão legítima para justificar o não uso da marca em processo de caducidade perante o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI).

O cerne da discussão dizia respeito à marca de um contraceptivo oral chamado “MINESSE”, cujo registro foi concedido pelo INPI em 02/07/1996 e serviu de base para uma oposição contra um pedido de registro da marca “GINESSE”.

Em resposta à oposição, a titular do pedido para a marca “GINESSE” instaurou um processo de caducidade contra o registro da marca “MINESSE”, nos termos do artigo 143 da Lei da Propriedade Industrial2

Em sua contestação, a titular da marca “MINESSE” reconheceu que a marca não foi utilizada no Brasil dentro do quinquênio legal exigido, mas esclareceu que tal fato se deu porque o registro do medicamento ainda não havia sido concedido pela ANVISA.

Ademais, demonstrou que “MINESSE” é um contraceptivo oral produzido na Irlanda e que, para ser comercializado no Brasil, a empresa deveria cumprir os requisitos da legislação regulatória brasileira, insculpidos nos artigos 12 e 18 da lei que trata do registro de fármacos (Lei n° 6.360/76)3.  

Assim, a titular da marca sustentou que o registro não deveria ser cancelado, pois a atual Lei da Propriedade Industrial brasileira prevê, no seu artigo 143, §1°, que “não ocorrerá a caducidade se o titular justificar o desuso da marca por razões legítimas”.

O INPI concordou com a defesa e proferiu decisão mantendo o registro, reconhecendo que o não uso da marca foi justificado. Insatisfeita com o resultado, a outra parte interpôs ação judicial perante a Justiça Federal.

A 35ª Vara Federal do Rio de Janeiro, contudo, concordou com a titular do registro e com o INPI. O Juiz analisou as regras dos artigos 12 e 18 da Lei n° 6.360/76, destacando que “não há alternativas para o uso da marca no caso concreto que não seja por via do cumprimento da legislação extravagante à propriedade industrial”.

Além disso, destacou que “desde novembro de 1999, a titular do registro iniciou diligências no sentido de cumprir a legislação brasileira relativa ao registro do seu produto” e que “antes do término do prazo previsto no caput do artigo 143 da Lei n° 9.279/96 já havia cumprido todo o trâmite previsto”.

Por fim, concluiu que a empresa “não ficou inerte dentro do prazo de cinco anos, tomou providências efetivas para por o medicamento no mercado brasileiro e isso dentro do quinquênio legal”.

Após novo recurso, o Tribunal Regional Federal da 2ª Região manteve a sentença. O Tribunal concordou com os fundamentos utilizados pelo Juiz de primeiro grau, adicionando que “a titular da marca buscou a licença perante a ANVISA e que isso deve ser entendido contrariamente à ideia de um possível abandono da marca.”

Na sequência, se interpôs recurso especial contra o acórdão do TRF. O STJ concordou com o entendimento das instâncias inferiores, ressaltando que “ao estabelecer as hipóteses de caducidade de registro de marca pelo não uso, a Lei n° 9.279/96 abre hipótese de exceção ao prever, no parágrafo primeiro do artigo 143, que não há que se cogitar de caducidade de registro se o retardo for justificado por razões legítimas.”

Ainda de acordo com o STJ, “a busca de licença da ANVISA para comercialização de medicamentos cuja marca foi registrada no INPI está entre as razões legítimas previstas na norma em questão.”   

O STJ, portanto, também entendeu que o trâmite regulatório perante a ANVISA constitui razão legítima para justificar o não uso da marca dentro do quinquênio legal.

Dentre as principais lições transmitidas pelo caso, observa-se que, na análise de processos de caducidade envolvendo marcas farmacêuticas, o intérprete não deve se ater apenas às regras de propriedade industrial, mas sim, a todo o arcabouço regulatório existente.

Nesse processo, as disposições da Lei n° 6.360/76 são fundamentais, pois referido diploma estabelece que nenhum dos produtos por ela regulados pode ser comercializado sem primeiro estar registrado perante a ANVISA.

Por isso, trâmites regulatórios realizados dentro do quinquênio legal constituem prova válida de que o titular tomou as medidas necessárias para iniciar o uso da marca. Logo, ainda que o processo perante a ANVISA tenha se iniciado em data próxima ao quinto aniversário da concessão do registro da marca, a regra do artigo 143, §1°, da LPI, pode ser aplicada caso se comprove que o titular agiu de boa-fé e tomou medidas efetivas para inserir o produto no mercado nacional.

Uma vez concedido o registro do produto, contudo, é fundamental que o uso da marca seja iniciado em período razoável. Caso contrário, o não uso da marca se tornaria injustificado, desaparecendo a razão legítima prevista pelo legislador.     

Recomenda-se, pois, que empresas farmacêuticas prestem especial atenção a tal precedente jurisprudencial, a fim de preservar seus registros e evitar a perda de direitos marcários em território nacional.  
 

 

 1 Recurso Especial n° 1.377.159 – RJ (2013/0092320-4), Rel. Ministro João Otávio de Noronha, Data do julgamento: 05/05/2016.
  2 Artigo 143 – Caducará o registro, a requerimento de qualquer pessoa com legítimo interesse se, decorridos 5 anos da sua concessão, na data do requerimento: I – o uso da marca não tiver sido iniciado no Brasil; II – o uso da marca tiver sido interrompido por mais de 5 anos consecutivos, ou se, no mesmo prazo, a marca tiver sido usada com modificação que implique alteração de seu caráter distintivo original, tal como constante do certificado de registro.
  3 Artigo 12 – Nenhum dos produtos de que trata esta Lei, inclusive os importados, poderá ser industrializado, exposto à venda ou entregue ao consumo antes de registrado no Ministério da Saúde.
Artigo 18 – O registro de drogas, medicamentos e insumos farmacêuticos de procedência estrangeira dependerá, além das condições, das exigências e dos procedimentos previstos nesta Lei e seu regulamento, da comprovação de que já é registrado no país de origem.

Informativo

Artigo

Anterior   Próximo

compartilhe

Gustavo Piva de Andrade

Sócio, Advogado, Agente da Propriedade Industrial

Advogado, graduado em Direito pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Mestre em Direito da Propriedade [...]

saiba +

posts relacionados

busca