Biblioteca

Franqueadoras podem ser surpreendidas com exclusão do Simples Nacional

por Cândida Ribeiro Caffé

16 de janeiro de 2013

compartilhe

A par de várias questões tributárias que já atormentam a vida das Franqueadoras, incluindo o Imposto Sobre Serviços (ISS) sobre royalties e a inclusão destes na base de cálculo do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços, na modalidade Substituição Tributária (ICMS-ST), um novo problema coloca-se em debate: a suposta exclusão do Simples Nacional.

Como se sabe, o Simples Nacional é um regime especial de tributação aplicável a empresas com faturamento bruto anual inferior a R$ 3,6 milhões. Contudo, o limite de faturamento é apenas uma das condições para que uma microempresa (ME) ou uma empresa de pequeno porte (EPP) possa se manter no regime. Há questões societárias que inviabilizam essa adesão e outras relacionadas com as atividades desempenhadas.

Particularmente no tocante às restrições relacionadas com a atividade, há um rol taxativo previsto no art. 17, caput, da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006. Esse mesmo dispositivo prevê, em seu § 2º, que atividades não previstas expressamente na lei devem ser admitidas no regime. Logo, como a atividade de franquia não está prevista expressamente nesse rol, a princípio, as franqueadoras poderiam perfeitamente aderir ao Simples Nacional, como, de fato, ocorre.

A despeito disso, o Comitê Gestor do Simples Nacional editou a Resolução CGSN nº 77, de 13 de setembro de 2010, na qual ampliou o rol taxativo da Lei Complementar nº 123/06, incluindo expressamente as atividades compreendidas no CNAE 7740-3/00 – ATIVOS INTANGÍVEIS NÃO FINANCEIROS, dentre elas, a venda, a operação e o licenciamento de franquias.

Com base nesse ato normativo, é possível que a Receita Federal do Brasil e as Secretarias Estaduais e Municipais de Fazenda expeçam termos de exclusão do Simples Nacional para empresas franqueadoras, exigindo retroativamente os tributos que deixaram de ser recolhidos segundo o regime normal de tributação, inclusive multa de ofício e juros moratórios.

Embora certamente haja ampla defesa tanto na esfera administrativa quanto judicial visando à manutenção de empresas franqueadoras no Simples Nacional, este momento pode ser adequado para que tais empresas revejam seu planejamento fiscal de modo global.

*Em coautoria com Daniel Mariz Gudiño

compartilhe

Cândida Ribeiro Caffé

Advogada, Agente da Propriedade Industrial

Advogada e agente da propriedade industrial, é sócia do escritório Dannemann Siemsen. Pós-graduada em Direito da Pr[...]

saiba +

posts relacionados

busca